22 de janeiro de 2016

Rubem Alves!

"Nietzsche também tinha a solidão como sua companheira.
Sozinho, doente, tinha enxaquecas terríveis que duravam três 
dias e o deixavam cego. 
Ele tirava suas alegrias de longas caminhadas pelas montanhas, 
da música e de uns poucos livros que ele amava. 
Eis aí três companheiras maravilhosas! Vejo, frequentemente, pessoas 
que caminham por razões da saúde. 
Incapazes de caminhar sozinhas, vão aos pares, aos bandos.
E vão falando, falando, sem ver o mundo maravilhoso que as cerca.
Falam porque não suportariam caminhar sozinhas. 
E, por isso mesmo, perdem a maior alegria das caminhadas, que é a 
alegria de estar em comunhão com a natureza. 
Elas não vêem as árvores, nem as flores,nem as nuvens e nem sentem o vento.
Que troca infeliz! Trocam as vozes do silêncio pelo falatório vulgar. 
Se estivessem a sós com a natureza, em silêncio, sua solidão tornaria
possível que elas ouvissem o que a natureza tem a dizer. 
O estar juntos não quer dizer comunhão. O estar juntos, frequentemente,
é uma forma terrível de solidão, um artifício para evitar o contato conosco mesmos". 

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...